quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Coffee Break XXI

Mais um gole de café.
Pode ser que nem dê pé,
Já duvido até da catástrofe
Ao cantar em dó, mi e ré...
Bebida epígrafe,
Zona limítrofe:
Entre a acidez e a euforia da estrofe...
(Pausa finalizada)

15 comentários:

  1. Pois então, cara Nadine, café com açúcar ou sem?
    Um abração. Agradeço aqui tuas palavras fraternas, depositadas lá no meu modesto espaço. Tenhas uma linda tarde.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dilmar!

      Costumo tomar sem! Haha.

      Muito obrigada!
      Beijos! =)

      Excluir
  2. Eu aceito mais um gole de café, uma boa euforia no cantar e a sua sempre linda inspiração. Adorei!

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Aline!
      Nhá! Linda poesia é sua presença!

      Muito obrigada!
      Eis sempre uma xícara a sua disposição!

      Beijos! =)

      Excluir
  3. Oi querida
    Tudo que escrevo vira encanto
    Inspiração mil para nos alegrar
    Beijinhos no coração
    Lua Singular

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, doce Lua!

      Muito obrigada!
      Tenha uma linda semana!

      Beijos! =)

      Excluir
  4. Mais um gole de café,
    Mantendo-se o ambiente.
    De resto tudo é o que é
    Mantendo-se o café quente.

    Beijo
    SOL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, SOL!

      Muito obrigada pelos versos! Adoçaste meu café, dose certa!

      Boa semana!
      Beijos! =)

      Excluir
  5. Pegue leve com esse café! Porque os marcadores também são parte do poema e eu li gastrite! hehe Pegue leve! :D
    Um cheiro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carlos!

      Hahaha... Obrigada! Pode deixar, pegarei leve!

      Boa semana!
      Beijos! =)

      Excluir
  6. Respostas
    1. Oi, Gugu!

      Também aceito!
      Boa semana!

      Beijos! =)

      Excluir
  7. Ele a escutava afinando a voz em pausas.
    O dó era cantado em pé.
    O mi, em rima, misturado ao café.
    Desafinava com muito açúcar,
    mas a poesia sempre encaixava em ré.
    A melodia nascia num si bemol,
    o amor fenecia em arrebol.
    Ele a ouvia.
    Harmonia melódica e poética no morrer do sol,
    amor sobrevivendo na pouca fé.
    (Dormiu ladeado pelas reticências...)

    Eu diria, querida Nadine, que te leio de respiração travada, depois suspiro. Depois, suspiros...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alê!
      Uau, seus versos foram inspiradores e também ganharam suspiros! Quase uma torta repleta deles, um doce na qual apreciamos vagarosamente para que nunca termine!...

      Muito obrigada!
      Boa semana!
      Beijos! =)

      Excluir
  8. Um café para inspirar...transpirar...e buscar novos caminhos...sempre!
    abraços carinhosos meus.

    ResponderExcluir

... Falta a sua pitada!...