segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Meia jarra

Foto retirada do acervo do Depositphotos

A jarra encheu vagarosamente,
Respingos inevitáveis na roupa,
Desejos que saltam da bocarra,
Choramingo a sua frente...
Não, não beba desse modo,
Não ouça o tilintar do copo,
Não deixa secar sua marra,
Não tente forçar a barra...
A jarra já está sem coragem,
Despede-se da vida cheia,
Gelo é apenas miragem,
Aquece-se e desnorteia...
Meio é um meio certo,
Assim como o talvez tem vez,
Na hora do conserto
Da alça já em sua viuvez...

36 comentários:

  1. O que a prosa descreve a poesia diz leve.
    GK

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gugu!
      A poesia leva.
      Muito obrigada!

      Beijos! =)

      Excluir
  2. kkk
    Nadine, você é demais, consegue me tirar sorrisos a quase meia noite
    Beijos.
    Tô caindo de sono
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lua!

      Nhá! Fiquei feliz em ler seu comentário!

      Muito obrigada pelo carinho!
      Beijos! =)

      Excluir
  3. Sempre inspirada...Lindo ler! bjs, chica

    ResponderExcluir
  4. Se antes já esteve cheia,
    mas, agora só meia jarra
    saborosa depois da ceia
    sobremesa mais satisfaça!

    Tenha um bom dia cara amiga poetisa Nadine, um beijo,
    Eduardo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Edu!
      Hahaha, adoro ler-te!

      Muito obrigada!
      Beijos! =)

      Excluir
  5. Cara amiga Nadine,

    a sua jarra está meio cheia
    ou quem sabe meio vazia.
    Sempre surgem perguntas
    à margem da filosofia
    A vida é para ser vivida
    assim dia após dia
    Não se vive pela metade
    disso estamos certo
    Vivamos a vida a pleno
    não importa onde estejamos
    se início, metade ou beira
    Preenchamos a cada instante
    nossa jarra de alegria
    vivamos dias eternos
    nesta existência passageira.

    Um abração. Tenhas uma linda semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dilmar!

      Uau, ganhei um poema filosófico exclusivo!
      Muito obrigada!
      Honra.

      Beijos! =)

      Excluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alê!
      Ah, que lindeza! Poxa, sem palavras!...
      Muito obrigada!

      Beijos! =)

      Excluir
  7. Oi Nadine,
    Vou fazer sim para o dia 29, terça que vem.
    Dia 26 é meu níver, vou fazer uma pequena postagem e domingo não posto mais, descanso.
    Vai começar amanhã, gostaria que acompanhasse, cada título incrível
    Beijinhos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lua!

      Sim, li o tema de hoje: amei!
      Muito obrigada!

      Beijos! =)

      Excluir
  8. Que profundo! Chega a tocar o âmago. Sem pensamentos, melhor sentir...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, César!

      Sim, sintamos, somente.
      Muito obrigada!
      Beijos! =)

      Excluir
  9. OI NADINE

    tudo vai de ponto de vista, né? os meios as vezes são inteiros e vice versa.

    beijo
    www.beinghellz.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Hellzinha!!!

      Sim, verdade! Falou tudo!
      Depende da vista do ponto! Ou quase, haha...

      Beijos! =)

      Excluir
  10. Meio cheia. Meio vazia. Como a vida e as miragens que inventamos nos sonhos quando a solidão é maior...
    Um beijo, Nadine

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Graça!

      Linda observação!
      Muito obrigada!

      Honra.
      Beijos! =)

      Excluir
  11. Ai se as jarras falassem e contassem tudo o que ouvem à mesa...
    Gostei muito do seu poema, é magnífico.
    Bom fim de semana, amiga Nadine.
    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jaime!

      Sim, verdade! As jarras teriam mais histórias ainda...

      Agradeço o doce olhar!

      Beijos! =)

      Excluir
  12. Meia jarra é jarreta,
    Não é cheia, nem vazia.
    Para encher uma proveta
    Com uma jarra vazia,
    Não se atreva nem se meta.

    Beijo
    SOL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, SOL!

      Hahaha, adorei a quadra!

      Muito obrigada!
      Grata.

      Beijos! =)

      Excluir
  13. Que poesia incrível, Nadine! Eis uma poesia que traz, por si só, uma analogia preciosa. A vida é esse oscilar entre o meio cheio e o meio vazio, que nós vamos preenchendo e esvaziando conforme os acontecimentos. Conforme a nossa força diante da vida. O meio é nossa tentativa de equilíbrio ou uma miragem que traz algum tipo de alento.

    Gostei muito!

    Um ótimo fim de semana.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Aline!

      Incrível é o seu olhar! Essa sensibilidade rara, captas lindamente a essência!...

      Muito obrigada!

      Beijos! =)

      Excluir
  14. Jogo de palavras, rimas, ritmo... Tudo sensacional! Tão bom de ler que posso exagerar e nem me dá ressaca! ;)
    Um cheiro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carlos!

      Ah, poxa! Muito obrigada!
      Fico feliz pela não-ressaca!

      Beijos! =)

      Excluir
  15. "Meio é um meio certo,
    Assim como o talvez tem vez,"

    Muito bacana o jogo de palavras, a dança que elas fazem, o movimento, a sutileza, a sugestão,... tua habilidade com os vocábulos fez festa. E eu adorei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rosa!

      Sua presença faz festa!
      Muito obrigada pelo olhar poético aqui manifestado!

      Beijos! =)

      Excluir
  16. Oi Nadine,
    Amanhã sua postagem estará no ar.
    Beijos no coração
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  17. Nadine, ontem pus uma postagem aqui e ela sumiu...
    sua postagem que fiz pra você está no ar hoje
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  18. Passei à procura de novidades.
    Mas eu volto...
    Bom fim de semana, amiga Nadine.
    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jaime!

      Estou bem devagar com as postagens, precisarei de um tempo, ou melhor, novo relógio!

      Obrigada por não desistir de mim!
      Beijos! =)

      Excluir

... Falta a sua pitada!...